Investimento Florestal Radix

Neutralidade em Carbono no pós Pandemia

A relação da sustentabilidade com a pandemia é mais estreita do que se imagina. A crise atual reforçou a importância das agendas ambientais como um dos pilares fundamentais para a resiliência das empresas em meio a cenários de incertezas e desafios.

As metas globais para redução das emissões de carbono têm repercutido em diversos setores industriais. Em tempos de pandemia, vimos o aumento da percepção de valor das estratégias de crescimento compatíveis com a sustentabilidade. A crise atual reforçou a importância das agendas ambientais como um dos pilares fundamentais para a resiliência das empresas em meio a cenários de incertezas e desafios.

A relação da sustentabilidade com a pandemia é mais estreita do que se imagina. É o que apontou Thomas E. Lovejoy, cientista e especialista em biodiversidade, com décadas de experiência na Amazônia. Em matéria da National Geographic (1), ele lembra que, exceto a poliomielite, que circula apenas entre humanos, a maioria dos agentes transmissores de epidemias faz parte de ciclos naturais que envolvem animais. A perturbação da natureza é o fator principal para o deslocamento e a transmissão de doenças aos seres humanos. 

Enquanto lidamos com a pandemia, as mudanças climáticas continuam avançando e causando intensas alterações em todos os ecossistemas, o que provavelmente pesa a favor de patógenos que ainda desconhecemos. Mas, apesar de previsões com cenários difíceis, a pandemia parece ter colocado o mundo em marcha positiva para uma verdadeira “reativação verde”. Segundo especialistas da ONU (2), esse movimento deve incluir um apoio direto e maciço às infraestruturas e tecnologias descarbonizadas, a redução dos subsídios para combustíveis fósseis, o fechamento das centrais elétricas movidas a carvão, o desenvolvimento de “soluções baseadas na natureza” e o reflorestamento em larga escala.

A indústria da construção civil é uma das que exerce impacto mais significativo nas emissões de dióxido de carbono, com atividades ligadas à mineração, transporte, fábricas e produtos químicos. Um processo de mudança tem sido liderado por grupos de pesquisas e profissionais que visam a utilização de novos materiais e soluções. Já há diversos bons exemplos de projetos de edificações e desenhos urbanos que abordam o conceito da neutralidade em carbono

Neste ano, vimos “Cidades da madeira, bioeconomia e urbanismo” entre um dos nove seminários realizados durante a versão digital da Wood Week 2020 (3). Com a crescente pressão para reduzir a emissão de carbono do ambiente construído, os projetistas de edifícios estão sendo chamados a equilibrar funcionalidade e objetivos de custo com impacto ambiental reduzido, e a madeira pode ajudar a alcançar esse equilíbrio.

A madeira cumpre o objetivo de forma mais sustentável e eficaz do que a alvenaria tradicional, tanto durante seu crescimento como na vida dos edifícios e casas. Segundo a Dr.ª Daniella Abreu, PhD em engenharia civil na área de sustentabilidade pela University of Birmingham (4):

 “A madeira tem uma pegada de carbono mais leve que outros materiais de construção comuns e consome muito menos gases de efeito estufa no ciclo de vida. Ela supera o concreto e o aço em termos de energia incorporada, emissões de gases de efeito estufa e poluição da água e do ar”.

Em comparação com as demais opções existentes, as edificações de madeira são mais rápidas de construir e, talvez o mais surpreendente, mais seguras em caso de incêndio. A madeira engenheirada, com espessura superior a 50 mm, é considerada mais resistente que outras estruturas. Isso porque o fogo carboniza apenas a superfície da madeira e cria uma camada de carvão que impossibilita que o oxigênio se espalhe. Dessa forma, ocorre um atraso maior no início do aquecimento e a estrutura interna fica protegida. 

Os projetos mais inovadores em madeira se expandem para vários setores: hotéis, residências e imóveis comerciais, mostrando que a madeira pode, sim, ser uma alternativa sustentável ao concreto e ao aço. 

Com 85 metros de altura, o Mjøstårnet em Brumunddal na Noruega, tornou-se o edifício de madeira mais alto do mundo em 2019.


Aliadas a um bom trabalho de comunicação e marketing, que mostre os reais benefícios de obras limpas e com materiais sustentáveis, é possível engajar profissionais e clientes com foco no bem estar das pessoas e do planeta. Para que exista a mudança cultural e comportamental, precisamos direcionar esforços na divulgação do conhecimento.

A ideia de se construir com madeira está totalmente ligada com a floresta, afinal, a madeira vem de lá. As florestas devem ser plantadas para esse fim e sustentavelmente manejadas. Em 2021 e nos anos por vir, a expansão das florestas plantadas poderá trazer ainda mais contribuições para as metas de sustentabilidade globais e para o crescimento dos mais variados setores.

Referências:
1 LOVEJOY, T. E. Para evitar pandemias, é preciso respeitar a natureza. National Geographic, 5 de Jun, 2020. Disponível em: <https://www.nationalgeographicbrasil.com/meio-ambiente/2020/06/coronavirus-para-evitar-pandemias-respeitar-a-natureza>. Acesso em: 28/12/2020.
2 ONU. Report of the Secretary-General on the Work of the Organization. 2020. Disponível em: <https://www.un.org/annualreport/>. Acesso em: 28/12/2020.
3 MAIS FLORESTA. Madeira na Construção. 19 de Nov, 2020. Disponível em: <https://www.maisfloresta.com.br/noticias/madeira-na-construcao/especialistas-reafirmam-a-importancia-da-construcao-em-madeira-e-da-implantacao-de-um-urbanismo-sustentavel-com-biocidades-221.html>. Acesso em: 28/12/2020.
4 ABIMCI. Revista Portas de Madeira. Edição IV – 2021, Dez 2020. Disponível em: <https://www.psqportas.com.br/>. Acesso em: 28/12/2020.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Social Media

POstagens populares

Fique sempre atualizado!

Se inscreva em nossa newsletter para acompanhar novas atualizações

Sem spam, notificações apenas sobre novos produtos, atualizações.

Categories

POsts relacionados